HISTÓRIA - DA - NOSSA - CIDADE

Latitude: S 210 54' 05"

Longitude: W CR 470 37'26"

Referencia cartográfica. SF-23-V-C-IV-4

Posição relativa à capital: noroeste

Distância da capital por rodovia: 242 km

Área: 794 Km2

Relevo: planalto

Altitude: 648 m

Ponto culminante: Morro do Descalvado com 900 m

Clima: temperado - mínima 5° - máxima 32° - média 24°

Umidade relativa do ar: 20 a 30%.

Índice pluviométrico: 1.100 a 1.300 mm

Precipitação pluviométrica:- mínima 30 - máxima 200 - média anual 165

Vegetação: campos e cerrados

Região hidrográfica: Bacia do Mogi Guaçu

Distâncias por rodovias: São Paulo - 242 km, Brasília - 960 km, Campinas - 149 km, Ribeirão Preto - 98 km, Porto Ferreira - 14 km, Pirassununga - 31 km, São Carlos - 34 km, Araraquara - 78 km, Santa Rita do Passa Quatro - 40 km, Analândia - 28 km (rod. Municipal), Luiz Antônio - 57 km (rod. Municipal)

GEOLOGIA

Rochas e tipos de solo: a contextura rochosa do Município de DESCALVADO é predominantemente basáltica, com os seguintes tipos de solo: latosol roxo, latosol vermelho-amarelo fase arenosa, podzólico vermelho-amarelo, latosol substrato diabásico, regosol, hidromorfo, aluvial e lixosol.

Formação geológica das terras: 80% de arenitos de formação Corumbataí (terra regular) e 20% de terrenos eruptivos, resultantes da decomposição de basalto (terra ótima).

OROGRAFIA (descrição das montanhas)

Serra do Descalvado - localizada ao Sul do Município com altura aproximada de 900 m.

Morro do Descalvado - Morro que deu nome à cidade, localizado ao Sul do Município com altura variando de 750 m a 900 m.

Serra da Estrela - localizada a Oeste do Município, com altura aproximada de 700 m a 750 m.

Morro da janelinha - localizada a Noroeste do Município com altura aproximada 700 m. Famoso por várias lendas e crendices.

Morro do Quadrão - pertence a DESCALVADO localizada ao Sul do Município, nos limites com Analândia com altura aproximada de 700 m.

POTAMOGRAFIA (estudos dos rios)

Rio Mogi Guaçu: nasce no Município de Cambuí - MG percorrendo 475 km, dos quais 96 km em Minas e 379 em São Paulo, até desembocar no Rio Pardo nas proximidades de Viradouro. Atravessa 27 km de nosso Município na direção Nordeste-Noroeste, com profundidade média de dois metros.

Rio do Pântano: nasce na divisa com Analândia, atravessando 30 km do Município na direção Sul-Norte, até desembocar no Mogi Guaçu, tem pouca profundidade. Seus principais afluentes são os córregos São João e Olho D'Água.

Rio Quilombo: nasce no limite com São Carlos, tem pequena profundidade e extensão de 22 km. Seu principal afluente é o Córrego das Anhumas.

Rio Bonito: nasce ao Sul do Município, corre por 23 km na direção Sul-Noroeste com pouca profundidade. Seus principais afluentes são os córregos do Tamanduá, Ibicoara e Água Podre.

Córrego da Prata: Nasce na zona suburbana de DESCALVADO e desemboca no Rio Bonito depois de correr por 5 km nos sentidos Sul-Norte e Oeste-Leste. É totalmente descalvadense, fornece água para a cidade.

Ribeirão da Areia Branca: Nasce ao Leste de DESCALVADO. Penetra no Município de Porto Ferreira, indo aí desaguar no Rio Mogi Guaçu. Curso aproximado de 11 km.

Ribeirão Santa Rosa: Nasce ao Sul do Município de DESCALVADO, próximo às nossas divisas com Pirassununga e avança, em sentido Sul-Oeste, penetrando, depois de um curso todo descalvadense, de cerca de 11 km, no Município de Pirassununga.

CÓRREGOS

Olaria, Anhumas, Cajuru, Capivara, Descaroçador, São João, Matança, Espraiado, lpiranga, Barra Grande ou Água Vermelha, Paraíso, Jacutinga,' Paiolonho, Santa Rosa, Patos, Caviãozinho, Água Podre, sujo, Santa Eulália, Água Limpa, Capetinga, Santo Antônio, São Domingos, Cateto, São Rafael, Sapé, Prata, Gasoso, Serrinha, Bebedouro, Ibicoara, Gregório, Bomba, João Porto, Taboa, Jatobá, Vila Nova, Tamanduá, Pinheirinho, Montes Claros, Capão Alto, Olho D'Água, Água Choca, João Bias e Buraco da Onça.

SALTOS

Pântano: Localizado no Rio do Pântano, altura de 190 palmos ou 42 metros, com volume de água de 800 litros por segundo, dista 7 km do centro da cidade.

Curiosidade: - Diz a tradição que o Salto do Pântano possui 72 metros de altura. Não é correto, sua altura é de 42 metros. Na década de 40 pensou-se em aproveitar a queda para construção de uma miniusina de energia elétrica. Os engenheiros constataram que o salto possuía 72 metros de queda livre, que é a medida de onde tem início a correnteza (30 metros acima do salto) acrescida da altura da queda (42 metros), o que totaliza os 72 metros. A bem da verdade, é necessário que se diga que o seu verdadeiro nome é Salto Dom Lino. Por que tal denominação? Respondamos com nossa história Municipal. Vindo da cidade de São Carlos em demanda na cidade de DESCALVADO onde realizaria sua primeira visita pastoral, no ano de 1883, hospedou-se Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho, Bispo da Diocese de São Paulo, a qual pertencia então nossa Paróquia, na Fazenda Jangada Brava, mais tarde Graciosa, e de propriedade de Sebastião Fortunato de Oliveira Penteado. Visitando o belíssimo acidente geográfico, pertencente, na época, a mesma propriedade agrícola e ante a admiração do grande antístite, seu hospedeiro, que se mostrou embrevecido com o poético da cachoeira, denominou-se, então, Salto Dom Lino. Com o tempo, porém, essa denominação foi sendo esquecida, sendo absorvida, afinal, pela de Pântano, nome do rio que o forma. Deve-se lembrar também que, na década de 70, a Comissão Municipal de Turismo tentou mudar o nome do Salto para DESCALVADO. Tentativa em vão, prevaleceu mais uma vez à denominação popular de Salto do Pântano.

Gasoso: Localizado no Córrego do Gasoso, altura de 30 metros dista 9 km do Centro da cidade.

São Rafael: Localizado no Córrego São Rafael, altura de 35 metros, dista 12 km do Centro da cidade.

Butiá: Localizava-se no Rio Bonito, no Bairro de Butiá, altura de três metros, distando 7 km do Centro da cidade. Em 1972, foi destruído com uma carga de dinamite pelo prefeito Deolindo Zaffalon para permitiu que os peixes provenientes do Rio Mogi Guaçu atingissem toda a extensão do Ribeirão Bonito.

CORREDEIRAS

Escaramuça: no Rio Mogi Guaçu, muito pedregosa, com cerca de 1.000 metros de comprimento, com pronunciado declive. Situada na fazenda Escaramuça, onde pode-se distinguir, ainda, o canal feito outrora para dar passagem aos vapores que realizavam viagens fluviais pelo Mogi, na primeira metade do século, exploração da Cia. Paulista de Estradas de Ferro e Viação Pluvial.

Gaviãozinho: no Rio Mogi Guaçu, de pequenas proporções.

Patos: no Rio Mogi Guaçu, de pequenas proporções.

Pântano: no Rio Mogi Guaçu, perto da foz do Rio do Pântano, de pequenas proporções.

RIQUEZAS VEGETAIS

Cedro, peroba, cabriúva, canela, araruva, cinzeiro, peito-de-pomba, copaíba, guaraperava, angico e eucalipto.

RIQUEZAS ANIMAIS

Capivaras, veados, pacas, preás, tatus, catetus, tamanduás, pintassilgos, avinhados, azulões, pássaros-pretos, juritis, rolinhas, tiés, inhambus, seriemas, saracuras, perdizes, paturis, codornas, jacus, frangos d'água, tico-ticos, sabiás, curimbatás, dourados, piavas, pacus, lambaris, canivetes, ferrerinhas, taguaras, peixes-sapo, piracanjuba, piaraparas, mandis, tambiús, bagres, traíras, cascudos, tabaranas e piaparões.

PARQUE ECOLÓGICO MUNICIPAL

O parque ecológico municipal de DESCALVADO é peça fundamental da preservação ambiental e elemento chave na elaboração do seu plano diretor, cuja razão de ser, além de vetor de melhoria da qualidade de vida da população, volta-se preponderantemente ao aproveitamento do potencial Turístico do Município.

Integra a malha urbana envolvendo-a, acrescenta ao cidadão a possibilidade de convivência com uma enorme área verde sem a pontualidade do convencional das praças e promove a interação com os diversos níveis de convivência do lazer, seja pelo esporte, a educação ambientar ou apenas pela contemplação.

Coloca a Cidade com um dos melhores níveis de área verde por habitante do País, gerando, com a implantação da política de incentivo ao Turismo, uma demanda significativa por serviços ligados ao Setor.

Desenvolve, educa, preserva e vivencia o meio ambiente.

LIMITES

Norte - Luiz Antônio

Noroeste - Santa Rita do Passa Quatro

Leste - Porto Ferreira

Sul - Analândia

Sudeste - Pirassununga

Oeste - São Carlos

DIVISA

Luiz Antônio: começa no Rio Mogi Guaçu, na foz do Rio Quilombo e sobe, por este, até a foz do Ribeirão Vaçununga.

Santa Rita do Passa Quatro: começa na foz do Ribeirão Vaçununga, no Rio Mogi Guaçu e sobe por este à foz do Córrego da Barra Grande ou Água Vermelha.

Analândia: começa no alto do Morro do Quadrão, na cabeceira mais Ocidental do Córrego Capão Alto, prossegue pela cumeada do morro a procura da cabeceira do Córrego Pinheirinho, e por este desce até o Rio do Pântano, pelo qual sobe até a foz do Córrego Montes Claros.

São Carlos: começa na confluência do Ribeirão do Pântano com o Córrego Montes Claros, vai pelo contraforte que entronca com o espigão divisor de águas do Ribeirão do Pântano e o Rio Quilombo, segue por este, desce até a foz do Córrego Jacutinga, pelo qual sobe a sua cabeceira mais Setentrional, segue pelo contraforte Anhumas-Quilombo em demanda da cabeceira mais Meridional do córrego do Paraíso, Pelo qual desce até a foz do Rio Quilombo, desce por este até a foz do Rio Mogi Guaçu, onde tiveram início estas divisas.

Pirassununga: começa na foz do Rio Bebedouro, no Ribeirão Santa Rosa, e segue pelo divisor entre duas águas até o espigão que deixa à direita as águas do Rio Bonito e à esquerda as dos Ribeirões do Roque e Laranja Azeda, segue por este espigão até a ponta mais oriental do Morro do Quadrão e pela cumeada deste, segue até a cabeceira mais Ocidental do Córrego Capão Alto, afluente do Ribeirão Descaroçador.

Porto Ferreira: começa no Rio Mogi Guaçu, na foz do Córrego    Barra Grande ou Água Vermelha5 sobe por este até o Córrego João Dias, pelo qual sobe até sua cabeceira mais Setentrional, segue em reta até a cabeceira do galho mais Setentrional do Córrego Capetinga, e por este desce até a sua foz, no Rio Bonito, desce ainda por este até a foz do Córrego Paiolzinho, segue em reta até a foz do Córrego Sapé até a sua cabeceira, vai em reta até a foz do Córrego Bebedouro, no Ribeirão Santa Rosa.

ESTATÍSTICAS

População atual:30.000 habitantes

Eleitores: 20.000 (censo 1998)

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Hoje são duas as represas que abastecem DESCALVADO: Rosária com 31O mil litros de água por hora e Calmon com 126 mil litros de água por hora, ambas ficam no Córrego da Prata. O consumo médio de DESCALVADO é de sete a 11 milhões de litros por dia. Existem também cinco poços artesianos que abastecem bairros periféricos com um consumo médio de 473 mil litros por dia.

ORIGEM DO NOME DE DESCALVADO

Vem do nome de um morro, ou precisamente do Morro do Descalvado.

Antes da ereção da Capela de Nossa Senhora do Belém, em 1832, por José Ferreira da Silva, as terras de DESCALVADO não teriam nome, pois eram fundo de Rio Claro ou de Araraquara. Mais de Rio Claro, embora não de princípio unido a ele, administrativa e juridicamente.

Ao ser elevado à freguesia, deram a DESCALVADO o nome de Freguesia de Nossa Senhora do Belém do Descalvado. Por quê? Por que o acréscimo: DESCALVADO? José Ferreira da Silva quis completar a denominação com uma adenda, que caracterizasse o ambiente. Qual a razão da escolha? Não erraremos se dissermos que o povoado mais buscado pelos povoadores, quando de suas necessidades de alimentação, abrigo, compras de armas e munições e coisas imprescindíveis ao labor agrícola e mesmo cautelas de ordem jurídica, era Rio Claro. Para tanto, deveria haver um caminho e, havendo esse caminho, certamente deveria passar ele pelas proximidades da serra do Descalvado e do Morro de igual nome. Daí a escolha do belo acidente geográfico. E quem sabe tenha contribuído poderosamente para isso o fato de o Sul de nosso Município atual, as propriedades agrícolas que margeassem o caminho para Rio Claro, ser conhecidas por Bairro, Zona, Rincão do Descalvado, isso é, do Morro Descalvado. Assim na época os viajantes que se conduziam de Rio Claro para Araraquara deveriam dizer: sigam o rumo do Morro Descalvado. E agora uma pergunta: por que Morro do Descalvado? É ele assim tão desprovido de vegetação, como dá a entender o seu nome? Não. Até possui ele cerrada vegetação em sua fraldas; o seu topo, porém, apresenta partes rochosas, o que lhe legitima a denominação de Descalvado, escalvado ou calvo. Fica destruída assim a afirmativa de que o nome de DESCALVADO provinha de suas terras serem de minguada vegetação como antes se dizia, embora, no verbete descalvado haja, também, a significação de terra de boas pastagens. Mas o nome de batismo de nossa terra não veio nem do fato de seu solo ser de vegetação escassa e nem ostentar ele ótimas pastagens, ainda que desta possua muitas e magníficas, se não florescentes, não seria a sua pecuária qual hoje é.

 

Fonte (informe publicitário) ==> Unicastelo e Descalvado (a parceria que deu certo).